Alpes Literários

Alpes Literários

Subtítulo

UM PASSEIO PELOS ALPES LITERÁRIOS

segunda-feira, 28 de maio de 2018

Olga Savary - Insônia

Provavelmente assediada pela insônia, a poetisa pervaga pelos domínios onde a poesia paira, procurando transcrevê-la ao papel, de modo a inquietar “as marés do silêncio da palavra ainda não escrita nem pronunciada”, tal que toda inquietação que lhe vai no espírito se atenue e vingue o indesejado estado de vigília.

Ao dar continuidade ao ensaio das palavras, Savary espera atravessar a noite fazendo revolver em fogo mental – no cadinho alquímico do poema –, as suas próprias incertezas, interrogantes, tribulações e adversidades, perseguindo assim, talvez num esforço de Sísifo, o sentido último da verdade que somente as estrelas conhecem.

J.A.R. – H.C.

Olga Savary
(n. 1933)

Insônia

A José Carlos Audíface Brito

Quero escrever um poema irritado.
Quero vingar meu sono dividido
(busco palavras que interroguem essa alquimia
do poema, que vire a noite em fogo vário
e a lua em pegada escondida atrás do muro
– vagaroso desmoronar de extinto voo).
Quero um poema ainda não pensado,
que inquiete as marés de silêncio da palavra
ainda não escrita nem pronunciada,
que vergue o ferruginoso canto do oceano
e reviva a ruína que são as poças d’água.
Quero um poema para vingar minha insônia.

Rio de Janeiro, março 1950

Em: “Espelho Provisório: 1947-1970”
I – Pássaros da Memória

Voo da Musa
(Paul Bond: pintor mexicano)

Referência:

SAVARY, Olga. Insônia. Repertório selvagem. Obra reunida: 12 livros de poesia (1947-1998). Rio de Janeiro, RJ: Biblioteca Nacional; MultiMais; Universidade de Mogi das Cruzes, 1998. p. 26.

Nenhum comentário:

Postar um comentário