Alpes Literários

Alpes Literários

Subtítulo

UM PASSEIO PELOS ALPES LITERÁRIOS

sábado, 5 de maio de 2018

François Coppée - Maio ‎

No país do poeta, maio representa um estágio em meio à primavera, rumo ao estio do verão, quando as férias tépidas arregimentam muitas festividades. Trata-se, portanto, de um mês cheio de brotos de flores a romper, à medida que a natureza se prepara para uma temporada mais seca.

Contudo, a que Coppée mais alude em seu poema é o lilás, de fragrância marcante – associado ao hálito de sua amada –, cujas flores perpassam-lhe o olhar. E nem se diga que ele simboliza espiritualidade e inocência, a poesia em estado puro, justamente no quartel em que as mães são homenageadas.

J.A.R. – H.C.

François Coppée
(1842-1908)

Mai

Depuis un mois, chère exilée,
Loin de mes yeux tu t’en allas,
Et j’ai vu fleurir les lilas
Avec ma peine inconsolée.

Seul, je fuis ce ciel clair et beau
Dont l’ardente effluve me trouble,
Car l’horreur de l’exil se double
De la splendeur du renouveau.

En vain j’entends contre les vitres,
Dans la chambre où je m’enfermai,
Les premiers insectes de Mai
Heurter leurs maladroits élytres;

En vain le soleil a souri;
Au printemps je ferme ma porte
Et veux seulement qu’on m’apporte
Un rameau de lilas fleuri;

Car l’amour dont mon âme est pleine
Retrouve, parmi ses douleurs,
Ton regard dans ces chères fleurs
Et dans leur parfum ton haleine.

Campos de tulipas:
no que os sonhos podem resultar
(Jane Small: pintora inglesa)

Maio

Há um mês foste-te embora;
E eu sofro de ti distante,
Embalde viceja agora
O lilás fresco e odorante.

A sós, fujo ao claro brilho
Deste céu, que me exaspera,
Pois aumenta o horror do exílio
O esplendor da primavera.

Contra os vidros transparentes
Da alcova de onde não saio,
Batendo as asas trementes,
Ouço os insetos de maio.

Do sol ao rútilo beijo
Cerro o lábio, desgostoso,
E só, do lilás desejo
O úmido ramo cheiroso;

Pois, em meio às suas dores,
Do lilás, minh’alma, em ânsia,
Vê teus olhares – nas flores,
Teu hálito – na fragrância.

(9 de maio de 1881)

Nota de Múcio Leão:

Esta poesia faz parte das “Sinfonias” [Raimundo Correia, 1883]. Deslocamo-la para aqui com o intuito de não deixarmos desfalcada a série dos doze trabalhos, que formam a coleção de Coppée, traduzida por Valentim Magalhães e Raimundo Correia. O mesmo sucede com a poesia referente a “Dezembro”, que, também, pertence à coletânea das “Sinfonias”.

Referência:

COPPÉE, François. Mai / Maio. Tradução de Raimundo Correia. In: ‎‎__________. Poesias completas de Raimundo Correia. Vol. II. Organização, prefácio e notas de Múcio Leão. São Paulo, SP: Companhia Editora Nacional, ‎‎1948. Em francês: p. 451-452; em português: p. 376-377.

2 comentários:

  1. Vim até aqui procurando noticias do Celso Paciornik e amei a publicação do seu poema. grato, queria ter acesso a outras publicações. abraços, o celso faleceu hoje.

    ResponderExcluir
  2. Prezado Rubens:
    Uma pena que o poeta e tradutor tenha falecido, tanto mais em razão da clareza de posições que assumia em tudo o que levava à frente. O poema a que você teve acesso, extrai-o do único livro que possuo do autor. Assim que o encontrar, procurarei fazer novas postagens.
    Um abraço,
    J. A. Rodrigues

    ResponderExcluir