Alpes Literários

Alpes Literários

Subtítulo

UM PASSEIO PELOS ALPES LITERÁRIOS

sábado, 9 de junho de 2018

Ruy Belo - Algumas proposições com pássaros e árvores...

Em vez dos frutos, sob a ótica do poeta, as árvores dão, de fato, pássaros, que brotam da ponta de seus ramos, enquanto rebentos vivos – ao contrário dos frutos inertes. E se os pássaros pertencem e se originam das árvores, são estas capazes de cantar, movimentar-se, desvencilhando-se do reino vegetal para aportar na colônia animal.

Tudo são especulações poéticas, pois. Só não sabemos os motivos pelos quais o autor lusitano reluta em pronunciar a proposição “os pássaros emanam das árvores”, deixando-a ao romancista, a pretexto de que é “complicada” e “ainda não foi isolada da filosofia”. Ora ora: Plotino – como tudo o mais que exista ou se conceba mentalmente – também pode ser arrastado ao cadinho da poesia!

J.A.R. – H.C.

Ruy Belo
(1933-1978)

Algumas proposições com pássaros e árvores que
o poeta remata com uma referência ao coração

Os pássaros nascem na ponta das árvores 
As árvores que eu vejo em vez de fruto dão pássaros
Os pássaros são o fruto mais vivo das árvores 
Os pássaros começam onde as árvores acabam
Os pássaros fazem cantar as árvores
Ao chegar aos pássaros as árvores engrossam movimentam-se 
deixam o reino vegetal para passar a pertencer ao reino animal 
Como pássaros poisam as folhas na terra 
quando o outono desce veladamente sobre os campos 
Gostaria de dizer que os pássaros emanam das árvores 
mas deixo essa forma de dizer ao romancista 
é complicada e não se dá bem na poesia 
não foi ainda isolada da filosofia 
Eu amo as árvores principalmente as que dão pássaros 
Quem é que lá os pendura nos ramos? 
De quem é a mão a inúmera mão?
Eu passo e muda-se-me o coração

Em: “Homem de palavra(s)”

Pintassilgos & Flores de Macieira
(Crista Forest: pintora norte-americana)

Referência:

BELO, Ruy. Algumas proposições com pássaros e árvores que o poeta remata com uma referência ao coração. In: COSTA E SILVA, Alberto da; BUENO, Alexei (Organização e Introdução). Antologia da poesia portuguesa contemporânea: um panorama. Rio de Janeiro, RJ: Lacerda Editores, 1999. p. 268.

Nenhum comentário:

Postar um comentário