Alpes Literários

Alpes Literários

Subtítulo

UM PASSEIO PELOS ALPES LITERÁRIOS

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

T. S. Eliot − Little Gidding

“Little Gidding” é o último dos “Quatro Quartetos” de Eliot, e suas cinco seções fluem na escala dos tempos passado, presente e futuro, para sugerir a necessidade de catarse ou purificação da humanidade pelo fogo pentecostal, a propagar o dom das línguas. Necessário se torna abraçar o sacrifício, para que, por meio da morte, o homem seja capaz de renascer para um mundo de contínua exploração, quando, ao fim, terá descoberto o princípio de todas as coisas.

Tudo porque, como afirma Eliot, fim e começo são como que intercambiantes, e o período de Natal – que sugere um começo, uma vida que se inicia – tem os seus paralelos com a morte e ressurreição para uma nova presença em comunhão com o Espírito.

Sublinhamos, por derradeiro, que nesta postagem, em razão de o poema ser muito alongado, apresentamos apenas a sua quinta e última parte, na qual constam as ideias que sumariamos no parágrafo exordial.

J.A.R. – H.C. 


Little Gidding (*)

(V)

What we call the beginning is often the end
And to make an end is to make a beginning.
The end is where we start from. And every phrase
And sentence that is right (where every word is at home,
Taking its place to support the others,
The word neither diffident nor ostentatious,
An easy commerce of the old and the new,
The common word exact without vulgarity,
The formal word precise but not pedantic,
The complete consort dancing together)
Every phrase and every sentence is an end and a beginning,
Every poem an epitaph. And any action
Is a step to the block, to the fire, down the sea’s throat
Or to an illegible stone: and that is where we start.
We die with the dying:
See, they depart, and we go with them.
We are born with the dead:
See, they return, and bring us with them.
The moment of die rose and the moment of the yew-tree
Are of equal duration. A people without history
Is not redeemed from time, for history is a pattern
Of timeless moments. So, while the light fails
On a winter’s afternoon, in a secluded chapel
History is now and England.
With the drawing of this Love and the voice of this Calling
We shall not cease from exploration
And the end of all our exploring
Will be to arrive where we started
And know the place for the first time.
Through the unknown, remembered gate
When the last of earth left to discover
Is that which was the beginning;
At the source of the longest river
The voice of the hidden waterfall
And the children in the apple-tree
Not known, because not looked for
But heard, half-heard, in the stillness
Between two waves of the sea.
Quick now, here, now, always –
A condition of complete simplicity
(Costing not less than everything)
And all shall be well and
Ali manner of thing shall be well
When the tongues of flame are in-folded
Into the crowned knot of fire
And the fire and the rose are one. 


Little Gidding

(V)

O que chamamos princípio é quase sempre o fim
E alcançar um fim é alcançar um princípio.
Fim é o lugar de onde partimos. E cada frase
Ou sentença de rigor (onde cada palavra se familiariza,
Assumindo seu posto para suportar as demais,
A palavra sem pompa ou timidez,
Um natural intercâmbio do antigo e do novo
A palavra corrente, correta e digna,
A palavra essencial e exata, mas sem pedanteria,
O íntegro consórcio de um bailado unívoco)
Cada frase e cada sentença são um fim e um princípio,
Cada poema um epitáfio. E qualquer ação
É um passo rumo ao todo, ao fogo, uma descida à garganta do mar
Ou à pedra indecifrável – e daí é que partimos.
Morremos com os agonizantes:
Vê, eles nos deixam, e com eles seguimos.
Nascemos com os mortos:
Vê, eles retornam, e nos trazem consigo.
O momento da rosa e o momento do teixo
Têm a mesma duração. Um povo sem História
Não está redimido do tempo, pois a História é o modelo
Dos momentos sem tempo. Assim, enquanto a luz declina
Numa tarde de inverno, numa capela reclusa
A História é agora e Inglaterra.
Com o impulso deste Amor e a voz deste Apelo
Não cessaremos nunca de explorar
E o fim de toda a nossa exploração
Será chegar ao ponto de partida
E o lugar reconhecer ainda
Como da primeira vez que o vimos.
Pela desconhecida, relembrada porta
Quando o último palmo de terra
Deixado a nós por descobrir
For aquilo que era o princípio.
Nas vertentes do mais longo rio
A voz da cascata escondida
E as crianças na macieira
Não percebidas porque não buscadas
Mas ouvidas, semiouvidas, na quietude
Entre duas ondas do mar.
Depressa agora, aqui, agora, sempre
– Uma condição de absoluta simplicidade
(Cujo custo é nada menos que tudo)
E tudo irá bem e toda
Sorte de coisa irá bem
Quando as línguas de flama estiverem
Enrodilhadas no coroado nó de fogo
E o fogo e a rosa forem um. 

Nota:

(*) O título do poema refere-se uma pequena comunidade anglicana fundada por Nicholas Ferrer, no século XVII, em Huntingdonshire, e que se dispersou durante a Guerra Civil inglesa.

Referência:

ELIOT, T. S. Little Gidding. In: __________. Poesia: Quatro Quartetos. Tradução, introdução e notas de Ivan Junqueira. Vol. I. Edição bilíngue. São Paulo: Arx, 2004. p. 384-387.

2 comentários:

  1. Respostas
    1. Que bom que você gostou: é sempre um ótimo estímulo para dar continuidade a este jardim de poemas!
      Um abraço,
      João A. Rodrigues

      Excluir