Alpes Literários

Alpes Literários

Subtítulo

UM PASSEIO PELOS ALPES LITERÁRIOS

sábado, 24 de fevereiro de 2018

Austro-Costa - Livros ‎

O poeta e jornalista pernambucano foi, certamente, um homem aficionado por livros e, neste soneto, revela a sua experiência com a leitura de tantos deles, a renderem-lhe maus e bons proveitos, e como procedia em relação à guarda ou à troca de obras do acervo.

Diz ele que um livro mau não se empresta, se vende; e um livro bom não se devolve ao dono. Mas ora: e o que fazer com os livros bons, que são propriedade sua, se terceiros quiserem levá-los por empréstimo?

Posso declinar o modo como procedo com os meus livros: troco ou faço doação de obras fracas ou, ainda que não sendo fracas, daquelas que julgo já terem exaurido qualquer serventia para mim. Livros bons, caros ou raros não os empresto e nem afirmo aos quatro cantos que os possuo.

Agora, ficar com livros que eventualmente emprestei de alguém – rotina de que pouco lanço mão, exceto se houver dificuldade em obtê-los no mercado – é prática que não se amolda aos bons costumes, sobretudo se se ponderar que o usuário pode estar em ambos os lados do negócio, podendo sofrer os mesmos danos que houver imputado a outrem...

J.A.R. – H.C.

Austro-Costa
(1899-1953)

Livros...

Livros bons... Livros maus... Livros... Ah! Quantos
comprei e recebi, compro e recebo!
Mestres de encantos e de desencantos...
Mestres cujas lições com os olhos bebo...

Livros meus... Mil e tantos acalantos
em minhas horas más!... Só eu percebo
o que vale “cavar” uns “mil e tantos”
quando levo alguns deles para o “sebo”...

Sempre aferrado aos livros, noite e dia,
na ânsia de algo saber, – ânsia funesta
a que malucamente me abandono,

só aprendi esta filosofia:
um livro mau se vende, não se empresta;
e um livro bom... não se devolve ao dono...

Natureza Morta com Livros e Vela
(Henri Matisse: artista francês)

Referência:

COSTA, Austro. Livros... In: __________. Meio dia eterno: antologia poética de Austro-Costa. Apresentação, seleção e notas de Paulo Gustavo. Recife, PE: Fundarpe, 1994. p. 130.

Nenhum comentário:

Postar um comentário